30 de setembro de 2009

TESTEMUNHO

Olá! Chamo-me Sandra, sou uma comboniana brasileira e trabalho em Juba desde 2007.
Juba é a capital do Sul do Sudão e está situada na margem esquerda do Nilo Branco.
O Sudão é o maior país da África e fica no nordeste do continente. É o país do coração de São Daniel Comboni. Foi aqui que ele se apaixonou pela África e pelos africanos e deu a vida por eles. É a nossa terra santa!
O Sudão é grande, mas não tão grande quanto o meu país, claro! E grandes são os seus problemas também: a partilha dos lucros do petróleo entre o sul e o norte; a situação política embrenhada na corrupção; as guerras tribais estão fazendo o povo sudanês sofrer.
A juventude sofre ainda mais, porque esta perdendo a esperança de um futuro de paz e justiça.
Juba cresce desproporcionadamente e não tem estrutura para tanto. O retorno dos refugiados de guerra e expatriados aumenta ainda mais os conflitos sociais.
Os avanços tecnológicos estão misturados com o jeito de se resolver as coisas por aqui: quase tudo na base da violência. Damos um desconto, porque o tempo desperdiçado na guerra resulta nisso mesmo.
Sem dúvida a missão no Sul do Sudão continua urgente e atual.
É nesse contexto que vivo a minha missão de ensinar inglês na única escola católica de segundo grau em Juba. A cidade tem muitas outras escolas secundárias, mas católica só essa.
Comboni Secondary School foi um empreendimento da família comboniana em Juba para comemorar o centenário da morte do Comboni em 1981.
Irmãs, padres e irmãos combonianos trabalharam em conjunto. Por dez anos foi a melhor escola da região, aumentando ainda mais a fama da marca Comboni no país.
Mas em 1992, no quente da guerra contra a islamização e arabização do Sul, todos os missionários estrangeiros foram expulsos de Juba. Então a escola passou a ser diocesana.
Em 2006, as comunidades combonianas foram reabertas em Juba com a condição que uma comboniana fosse trabalhar na escola: eu sou a representante da nossa congregação em Comboni School.
Tem sido um grande desafio! Apesar de a escola nunca ter fechado as portas durante a guerra, ficou marcada profundamente pela situação de Juba e de todo o país não permitindo muito avanço.
Agora ainda mais, Juba não escapa da influência da globalização.
A diocese espera que a minha presença na escola restabeleça a fama do passado! Mas nós missionárias e missionárias somos sempre poucos para as necessidades da missão. Fazemos o que podemos.
Agora estamos lutando para dar continuidade ao serviço educacional à juventude de Juba. Deus queira que os suores não sejam em vão!
Adoro ensinar minhas turmas de inglês. Os jovens são atentos apesar da pobreza de material didático e humano. A gente usa da criatividade e faz aquilo que pode, né?!
Comboni continua vivo na minha missão na Comboni Secondary School em Juba.

4 comentários:

elsa nyny disse...

Muito lindo Sandrinhaaaa!!
Gostei muito de te ler!

Beijinhos para ti e para o Zéeee!

Sandra disse...

Obrigada Elsa,
que voce gostou do meu testemunho. Peco uma oracaozinha para que a educacao dos jovens seja uma prioridade aqui em Juba.
Beijos,
Sandra

Sandra disse...

Obrigada Elsa,
que voce gostou do meu testemunho. Peco uma oracaozinha para que a educacao dos jovens seja uma prioridade aqui em Juba.
Beijos,
Sandra

Anónimo disse...

Oh, Sandra, não me conheces de lado nenhum..., o Padre Zé Vieira, sim.
Não quis passar por aqui sem te dizer:
"A tua Missão é a minha misssão!!!"
...e não posso ficar indeferente à tua luta, persistência...ao teu amor pela humanidade.
Bem hajas!!!

Um enorme abraço fraterno para ti e para o querido Padre Zé Vieira

António Manuel