21 de março de 2019

QUERIDOS IRMÃOS DA PROVÍNCIA DE MOÇAMBIQUE



Os Conselhos Provinciais de Portugal e Espanha, reunidos no encontro anual em Moncada, querem-se unir a todos vós e a todo o povo de Moçambique por causa dos recentes desastres naturais que deixaram rastos de muita dor e morte. Temos rezado por todos vós, e asseguramos-vos que, na medida do possível, nos sentimos tristes por todos estes acontecimentos.

A Quaresma deste ano tem nome e apelido em cada uma das vítimas, mas a Páscoa que brevemente celebraremos dará sentido a tanta dor.

Por isso queremos solidarizarmo-nos convosco e com todas as pessoas que estão a sofrer e, como províncias de Portugal e Espanha, queremos enviar-vos uma ajuda económica que podeis usar da forma que achardes mais urgente e necessária. Sabemos que nem tudo se resolve com o dinheiro, mas nos momentos em que se perde tudo, a caridade e a solidariedade são fundamentais para que os homens, mulheres e crianças de Moçambique possam recobrar a sua dignidade.

Continuaremos presentes com as nossas orações e com o desejo Pascal de que a morte e destruição de tantas pessoas e coisas nos conduza á vida em plenitude.

Que Daniel Comboni nos continue a iluminar no nosso caminho missionário, e que o povo Moçambicano alcance prontamente a serenidade e a normalidade.

Com afeto fraterno,

Conselho Provincial de Portugal 
Conselho Provincial de Espanha


13 de março de 2019

EZEQUIEL RAMIN, MÁRTIR DOS SEM TERRA


A vida missionária e o martírio do padre Ezequiel Ramin podem ser sintetizados por uma frase que ele próprio pronunciou durante a homilia da missa dominical de 17 de fevereiro de 1985, em Cacoal, passados apenas doze meses sobre a sua chegada ao Brasil: «O padre que vos fala recebeu ameaças de morte. Querido irmão, se a minha vida te pertence, pertencer-te-á também a minha morte.»

Ezequiel nasceu em Pádua, a 9 de fevereiro de 1953, filho de Mário Ramin e de Amirabile Rubin. Era o quarto dos seus seis filhos. Os pais, de cultura modesta, conseguiram, com grandes sacrifícios, realizar o seu sonho de pôr todos os filhos a estudar; contudo, o seu primeiro pensamento fora o de lhes dar uma educação humana e cristã sólida, que os preparasse para enfrentar as provas da vida. Passou uma infância e uma adolescência serenas, enraizadas nos valores da fé e da prática religiosa, do estudo e do trabalho, do sacrifício e da sobriedade, do amor e da ajuda mútua, da simplicidade e da honestidade. Uma família moldada sobretudo pela dedicação total da mãe, cuja jornada era iluminada pela Missa quotidiana e pela oração com que muitas vezes acompanhava a lide doméstica.

Ezequiel completou o seu percurso escolar, na convicção de que o estudo era importante para a vida, além de ser o seu “trabalho” daqueles anos. A tomada de consciência da pobreza em que vivia grande parte da Humanidade – então chamada Terceiro Mundo –, induziu-o a procurar formas práticas de solidariedade para com os oprimidos. Aderiu assim, em Pádua, à Associação Mãos Estendidas, empenhando-se como animador dos campos de trabalho de verão, para financiar microprojetos no Terceiro Mundo, mediante a recolha de material usado: papel, vidro, ferro e trapos. Ezequiel tinha sempre presente a necessidade de abrir os olhos para a marginalização dos pobres presente na nossa própria sociedade.

Numa sua intervenção por ocasião do Dia Mundial das Missões, em outubro de 1971, contando apenas dezoito anos, Ezequiel afirmou: «Cristo vai agora pelas ruas, a caminho de Emaús; é o rosto do irmão pobre, é o velho devorado pela lepra, são os milhões de famintos, são as seiscentas mil crianças malnutridas. O nosso Cristianismo é um forte empenho que, se nós quisermos, pode tornar-se numa palavra de vida para quem está ao nosso lado, porque a Deus nunca ninguém chega sozinho.» A experiência de Mãos Estendidas foi tão intensa e significativa para ele que viria a prossegui-la também em Florença, em 1973-74, durante um período de prova junto dos missionários combonianos.

No fim do verão, quando os seus pais o interpelaram sobre qual a faculdade universitária em que pretendia inscrever-se, ele convidou-os a entrar no automóvel e levou-os até ao Instituto dos Missionários Combonianos, em Verdara: «Eis a minha faculdade!» disse ele, deixando-os surpreendidos. Ficaram perplexos, como todos aqueles a quem comunicou a sua decisão. Com efeito, nunca tinha falado dela até então: fora uma opção meditada em silêncio, amadurecida no segredo da sua consciência, enquanto fazia o percurso casa-escola, trilhava as sendas no cume das montanhas ou pedalava entre as suas amadas colinas Eugâneas. Não fora uma opção fácil. Revela-o o episódio do seu encontro com um padre comboniano que tinha visitado a turma de Ezequiel para falar da vocação pessoal de cada um. No fim do encontro, o jovem Ramin tinha-lhe confessado: «O senhor falou de Jonas, que tinha medo de ir a Nínive. Esse Jonas cheio de medo sou eu, precisamente.» Teria medo de pretender seguir uma vocação dura como é a vocação missionária? O medo de não corresponder a ela, de não ser fiel até ao fim? Desconhecemos os temores que precederam a sua decisão, porque as suas cartas são datadas a partir de 1972, quando já tinha tomado uma decisão que nunca mais poria em causa. Com efeito, terminado o trabalho da escolha, sucedera-lhe a serenidade decorrente da certeza de ter correspondido a uma chamada insistente: «Levar Cristo é levar alegria. Eu sigo o caminho do missionário», escrevia ele, «não por minha iniciativa, mas porque Deus me procura e continuamente me pergunta se eu O quero seguir».

Assim, em setembro de 1972, Ezequiel deixou Pádua, a família e os amigos, para iniciar o percurso que o levaria ao sacerdócio. A 26 de maio de 1976, pediu para se consagrar a Deus, assumindo os votos de pobreza, castidade e obediência, e para passar a fazer parte da congregação missionária dos combonianos. Feitos os votos, Ezequiel foi enviado para Inglaterra, a fim de aprender bem a língua inglesa, prevendo-se que viria a ser enviado para o Uganda, onde completaria os estudos teológicos. No entanto, o seu destino não seria o Uganda, devido à precária situação política local e à dificuldade de obter a licença de residência, mas os estudos teológicos, em Chicago, onde permaneceria até junho de 1979. Durante as férias de verão, foi enviado a uma paróquia negra de Richmond (Virgínia), no sul dos Estados Unidos: era a América dos excluídos, dos vencidos, de quem ficava para trás na corrida da competição, precisando de ajuda e, por vezes, pedindo apenas que alguém os escutasse. Falou disso a um dos seus irmãos: «A pobreza estava presente em cada casa [...]. Encontrei pessoas de quarenta anos que recorriam a mim, perguntando-me o que deviam fazer. Estive com alcoólicos, com sem-abrigo, com rapariguinhas grávidas, de treze anos. Tudo gente que pedia apenas para ser escutada, compreendida.» Em suma, Ezequiel demonstrava possuir uma predisposição e uma sensibilidade particulares para apreender as necessidades prementes dos mais pobres e colocar-se a seu lado.

Chegou ao Brasil no dia 20 de janeiro de 1984, após uma permanência de vários meses em Lisboa, para aprender a língua portuguesa. Passou algumas semanas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Em março, deslocou-se a Brasília para ter aulas de cultura e pastoral brasileira. Além da situação da Igreja, ia conhecendo, durante as suas deslocações pelo território do país, a condição dramática da população pobre, sobretudo dos camponeses expulsos das suas terras pela invasão prepotente de empresas multinacionais que destinavam grandes extensões de terreno a pastagens, tendo em vista a criação de gado e a exportação da sua carne para os países ricos. Em finais de junho ficou concluído o período de preparação, e Ezequiel chegou à missão de Cacoal, no estado de Rondónia, na Amazónia.

Dentro deste já difícil contexto geral, o estado da Rondónia estava envolvido, naquela época, em dois processos explosivos: por um lado, um contínuo fluxo migratório, sobretudo a partir do nordeste, por outro, uma invasão das terras habitadas por índios. Na Rondónia, com efeito, vivia mais de metade dos índios de todo o Brasil. Um foco de tensão situava-se, naqueles meses, no limite extremo da paróquia de Cacoal, precisamente na fronteira entre o estado da Rondónia e o estado de Mato Grosso: tratava-se da ocupação de alguns terrenos incultos por um grupo de famílias de camponeses. O padre Ezequiel, que já há algum tempo conhecia a zona do conflito, pertencente à sua jurisdição pastoral, a 22 e 23 de julho tinha-se dirigido ao local para desempenhar o seu ministério religioso, tendo sido acompanhado pelo presidente do sindicato rural de Cacoal. Numa das comunidades visitadas, as mulheres dos colonos tinham suplicado ao sacerdote que se dirigisse aos seus maridos que estavam a desbravar os terrenos no recinto da empresa, dissuadindo-os de prosseguir. A sua permanência ali certamente provocaria um confronto armado com muitos mortos, tanto mais que já tinham recebido ameaças e atos de intimidação por parte dos próprios guardas armados. Segundo aquelas mulheres, só o padre, graças à sua autoridade e credibilidade, granjeadas durante aqueles meses de trabalho pastoral, poderia convencê-los a retirar-se, ficando à espera de tempos melhores. Antes do jantar, o padre Ezequiel apresentou a situação aos seus confrades que viviam com ele. Todos concordaram que, dada a extrema gravidade das condições em que viviam aquelas pessoas, na manhã seguinte iriam ter com elas. Foram momentos cruciais: um ou outro discordavam do plano estabelecido, embora Ezequiel sublinhasse repetidamente o enorme perigo que corriam os camponeses e o sentido apelo que as suas mulheres lhe tinham dirigido.

Uma onda de pensamentos e de preocupações angustiosas deve tê-lo assediado durante as horas noturnas, visto que, no dia 24 de julho, de manhã muito cedo, enquanto os seus confrades ainda descansavam, decidiu partir no jipe da comunidade, acompanhado por um amigo sindicalista. Às onze horas chegaram ao município de Aripuanã (Mato Grosso), situado a cerca de cem quilómetros de Cacoal: no lugar de reunião dos trabalhadores encontraram uma dezena destes. A pouca distância ficava o local de encontro dos guardas contratados pelo latifundiário. Ambos falaram aos camponeses, convidando-os a evitar qualquer tipo de violência e provocação, tendo em conta o perigo de incidentes incontroláveis com os guardas armados. O encontro foi breve, confirmando o facto de que o próprio Ezequiel julgava tê-los persuadido a manter a calma e a não recorrer à violência. Enquanto se preparavam para partir, os guardas armados precederam-nos com um veículo todo-o-terreno. Ao fim de poucos quilómetros, Ezequiel e o seu companheiro de viagem depararam com o todo-o-terreno atravessado no meio da estrada: mal tinham intuído o que estava prestes a suceder, deflagra um tiroteio com fogo cruzado. Precipitaram-se ambos para fora do jipe, mas os disparos dos sicários concentraram-se em Ezequiel. Este gritou: «Sou padre! Vamos conversar, minha gente!» Não tiveram piedade: caiu trespassado por setenta e cinco projéteis antes de conseguir refugiar-se sob a densa vegetação da floresta. Foi uma verdadeira execução. Era cerca do meio-dia do dia 24 de julho de 1985. O companheiro do padre Ezequiel, ligeiramente ferido pelos vidros do jipe, ao fim de várias horas de caminho através da floresta, reencontrou os camponeses que se tinham afastado do lugar da reunião. Transportados por um camião com destino a Cacoal, à uma da manhã avisaram os confrades de Ezequiel. Estes partiram imediatamente para avisar a polícia e o bispo, mas a polícia só aceitou levá-los de manhã até ao local do tiroteio. Ezequiel jazia a cinquenta metros do jipe, crivado de balas e de chumbos de espingarda. Não havia dúvida de que tinham querido matar um sacerdote que encarnava a opção da Igreja diocesana a que ele próprio pertencia e que se tinha colocado claramente ao lado dos mais pobres e oprimidos pela injustiça: camponeses sem terra e indígenas. Aliás, a cruz ao peito da qual nunca se separava e que lhe fora arrancada no momento da execução viria a sofrer uma última afronta: a grande cruz erigida no lugar do seu martírio viria a ser arrancada umas três vezes pelo pessoal da fazenda Catuva. A comunidade batizada com o seu nome substituiu-a agora por uma cruz de cimento.
Em Mês missionário extraordinário - outubro 2019

10 de março de 2019

TENTAÇÕES DO MISSIONÁRIO



No Evangelho de hoje, Jesus é tentado três vezes no deserto, o início da luta contra o Diabo, aquele que divide como a palavra quer dizer. A missão de Jesus e vencer o poder do Mal dentro de si e à sua volta. Os milagres – ou sinais como João lhes chama – são a marca da vitória de Deus sobre Satanás.

A tentação, o teste faz parte da vida. Quais são as tentações de um missionário?

1. Transformar pedras em pão. O sofrimento das pessoas com que vivemos afeta-nos; a falta de condições de vida mínimas (pão, saúde, educação, habitação) não nos pode deixar indiferentes. Mas não podemos parar numa missão puramente sociológica, assistencial. Como não podemos parar numa missão puramente proclamadora, espiritual. Jesus diz: «Está escrito que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus». A promoção humana é uma das vertentes essenciais da missão, mas não é a única. É consequência da vivência da Palavra de Deus.

2. Poder e glória. A missão pode ser uma vaidade. Um protagonismo. Um ato de poder. Uma glória vã à procura do reconhecimento. Um ato de adoração ao ego – somo s filhos da cultura do «euismo». A resposta de Jesus: «Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás». O missionário não é nem o centro nem o ator da missão: é servidor, colaborador na única missão de Deus-Trindade que quer encarnar o seu amor pelas pessoas através dele, um humilde trabalhador na vinha, na seara do Senhor.

3. Sucesso descuidado: atira-te, que Deus cuida de ti! Viver completamente centrado na missão, descuidando o corpo e o espírito, o descanso e a saúde, a formação permanente, pondo em Deus o ónus da responsabilidade pelas opções pessoais. Jesus diz: «Não tentarás ao Senhor teu Deus». Temos que colaborar com o Senhor que cuida de nós e está connosco até ao fim dos tempos. O cuidado é uma responsabilidade partilhada.

O texto do Evangelho de hoje conclui assim: «Tendo terminado toda a tentação, o Diabo afastou-se dele até certo tempo». As tentações não são um parêntesis de 40 dias na vida pública de Jesus, acompanharam-no todos os dias, porque todos os dias teve que escolher entre a fidelidade ao Pai que antes lhe dissera «Tu és o meu filho muito amado. Em ti me comprazo» e um projeto centrado nele próprio, usando o poder que Deus lhe deu para proveito pessoal. A última tentação de Jesus é na cruz: «Não és tu o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós» (Lucas 23, 39), blasfemou um dos malfeitores crucificado com Ele. Jesus é fiel ao Pai fiel. O Pai e a sua vontade foram o seu sustento. Somos fiéis porque Ele permanece fiel (2 Timóteo 2, 13).

6 de março de 2019

«MULHER DE CORAGEM 2019» PARA MISSIONÁRIA


A missionária irlandesa Orla Treacy vai receber o Women of Courage Award 2019 (Prémio Mulheres de Coragem 2019).

O prémio, criado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, distingue mulheres «que demonstraram liderança, coragem, desenvoltura e vontade para se sacrificar pelos outros, especialmente na promoção dos direitos das mulheres».

A cerimónia, presidida pelo Secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo, está marcada para 7 de março na capital dos Estados Unidas da América. A primeira-dama Melania Trump fará o discurso principal.

Orla Treacy, 46 anos, é a diretora da Escola Loreto em Maker Kuei, nos arredores da cidade de Rumbek, Sudão do Sul, há 11 anos.

É uma das dez mulheres distinguidas com o galardão «Women of Courage Award 2019». A lista inclui três advogadas do Bangladesh, Sri Lanka e Tanzânia, duas polícias do Djibuti e Jordânia, uma pacifista de Burma, uma egípcia que fundou uma ONG para cuidar de crianças, uma jornalista do Montenegro e uma juíza do Peru.

«Este prémio pertence às jovens do Sudão do Sul, com quem tenho o privilégio de trabalhar. As nossas alunas corporizam tudo o que é corajoso - elas são jovens mulheres com visão, força e esperança. Jovens mulheres que sonham com um país melhor para si e pra as suas famílias, que estão preparadas para desafiar velhas estruturas e trabalhar para tornar o Sudão do Sul um lugar de destaque. Estou grata a todos os que tornaram isso possível. O nosso trabalho no Sudão do Sul não é possível sem o apoio contínuo dos nossos parceiros, da nossa família Loreto ampliada, ex-alunos, estudantes, funcionários e a nossa comunidade local em Rumbek. Os nossos líderes eclesiásticos, comunitários e do governo local desempenharam um papel significativo no apoio à nossa missão», declarou a laureada.

A Ir. Orla abriu a escola secundária com internato em 2008 com 35 meninas. Hoje, conta com 300 alunas de todo o país.

Entretanto, as Irmãs de Loreto, a congregação a que pertence, criaram uma escola primária mista e uma pequena clínica para cuidar sobretudo de mulheres vulneráveis e de crianças.

Os Irmãos de La Salle abriram na área uma escola secundária para rapazes.

2 de março de 2019

ANO DO RIO


2019 é Ano da Bacia do Nilo.

A Iniciativa da Bacia do Nilo (NBI em inglês) proclamou 2019 Ano da Bacia do Nilo para celebrar os êxitos e desafios de vinte anos de cooperação na gestão hídrica da região.

A Iniciativa foi lançada a 22 de Fevereiro de 1999 para promover o uso equitativo da água do Nilo pelos dez Estados ribeirinhos (Burundi, Egipto, Etiópia, Quénia, República Democrática do Congo, Ruanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia e Uganda) mais a Eritreia (observadora), um território de 3,3 milhões de quilómetros quadrados e com mais de 520 milhões de habitantes.

A Iniciativa representa um marco importante no uso partilhado do Nilo. Em 1929, os Ingleses deram ao Egipto o usufruto exclusivo das suas águas. Como dizia o faraó, «os meus Nilos são meus, fui eu quem os fez» (Ezequiel 29, 3). Em 1956, o Sudão independentizou-se do Egipto e dois anos mais tarde os dois governos dividiram entre si o caudal do rio: 66 por cento para o Egipto e 33 por cento para o Sudão. Os países ribeirinhos a montante podiam pescar e pouco mais.

Foi neste contexto que surgiu a Iniciativa da Bacia do Nilo para um uso repartido das suas águas. A organização representa um passo em frente no desfrute das reservas hídricas da bacia por parte de todos os países ribeirinhos, uma partilha fundamental porque a região atravessa grandes transformações sociais, políticas, económicas e ambientais e precisa de mais comida, energia e água. A Etiópia tinha pouco mais de 66 milhões de habitantes na viragem do século; hoje, conta mais de 109 milhões.

A Iniciativa permite ao Uganda montar uma grande estação de tratamento de água para abastecer Campala, a capital, a partir do lago Vitória e à Etiópia construir a megabarragem Grande Renascença para produção de electricidade.

A área é muito afectada pelas mudanças climáticas. El Niño, o fenómeno meteorológico com origem no Pacífico tropical, provoca secas cíclicas seguidas de inundações cada vez maiores. Depois, há a praga do jacinto-de-água, que cobre parte do lago Vitória com um manto vegetal, mata a vida subaquática, afasta o turismo e aumenta casos de malária.

O Egipto e o Sudão resistiram ao novo ordenamento regional para a partilha das águas da bacia nilótica evocando direitos históricos. Mas os recursos comuns têm de ser usados por todos para o desenvolvimento socioeconómico sustentável e pacífico da região.

O Nilo é um rio curioso: aliás, são três rios num! O Nilo Azul vem das montanhas da Etiópia e o Nilo Branco das colinas do Ruanda. Ambos atravessam lagos (o Azul passa pelo Tana e o Branco cruza os lagos Vitória, Kioga e Albert). Juntam-se em Cartum (Sudão) formando o Nilo propriamente dito que desagua em delta no Mediterrâneo junto a Alexandria (Egipto).

Ao todo, do Ruanda ao Mediterrâneo, o Nilo mede 6695 quilómetros. O seu vale é habitado por gente com características físicas, étnicas e linguísticas próprias, os povos nilóticos. Entre as espécies autóctones destaca-se a perca-do-nilo, que chega às nossas mesas vinda sobretudo do lago Vitória. O crocodilo-do-nilo é o rei da espécie.

As nascentes do Nilo foram um mistério desde a Antiguidade. O escocês James Bruce (1730-1794) escreveu um livro a contar a descoberta da nascente do Nilo Azul cerca de cem anos depois de o jesuíta espanhol Pedro Páez o ter feito em 1618. O padre Páez viveu na Etiópia entre 1603 e 1622.

21 de fevereiro de 2019

IRMÃO DO OUTRO, MEU IRMÃO


Como irmão religioso missionário comboniano o que me move é fazer a vontade de Deus e evangelizar através das minhas acções. O Senhor chama-me a ser as suas mãos, os seus pés neste mundo e em particular em Matany, Uganda onde vivo desde 2013. Move-me o desejo de encontro e de “entrar” no profundo do outro, do doente, e descobrir que energias a pessoa possui e quais são as necessárias despertar para brotar saúde na pessoa. Ser irmão do outro, meu irmão.

Missão é ir ao encontro do outro. Missão é encontro de corações. Em Matany o meu serviço como irmão enfermeiro passa por organizar a farmácia do hospital. Compro medicamentos, distribuo-os pelos diferentes serviços que o Hospital oferece (medicina geral, maternidade, cirurgia, consultas, etc.), controlo os stocks e registo de medicamentos, participo nas reuniões da equipa médica sugerindo opções de tratamento e no serviço de tuberculose. Cada terça feira dispenso da farmácia principal (central) para todos os serviços e nos outros dias vêm para emergências ou medicamentos especiais que não são pedidos regularmente.

No momento, coordeno a equipa de farmacêuticos do Hospital: somos quatro. Um deles, Jonathan, trabalha a tempo inteiro na farmácia comigo; os outros dois, Christine e Joseph, estão encarregados de dispensar os medicamentos aos doentes nas consultas diárias. Encontramo-nos cada manhã para um momento de oração, partilhar dificuldades e alegrias e a realidade do dia anterior. Procuramos ter disponíveis os medicamentos necessários para levar para a frente a missão à qual o Senhor nos chama a viver aqui: oferecer serviços médicos com qualidade a esta população a um preço acessível.

Sinto que o meu serviço na farmácia é importante e é a forma como participo na construção do Reino de Deus entre os Karimojon.

Ir. José Eduardo Freitas (Uganda)

15 de fevereiro de 2019

PARAR, PARTILHAR PARA (RE)PARTIR



O Curso Comboniano de Renovação decorre de Janeiro a Maio de 2019 e decorre na Casa Geral em Roma. O curso realiza-se cada dois anos para Combonianos dos 45 aos 65 anos, que nesta fase da vida em missão, aceitam a proposta de um tempo de encontro consigo mesmos e com Deus. Nesta perspetiva, procuram assim responder na linha do convite de Jesus aos seus discípulos missionários: «Vinde comigo para um lugar isolado e descansai um pouco» (Marcos 6,30-34)

Os participantes deste ano são 17, vindos de 13 países diferentes e a trabalhar nos mais diversos áreas e lugares de missão. Têm idades entre os 48 e 68 anos. Entre eles estão os padres portugueses Feliz Martins, Joaquim Pereira e Carlos Nunes.

O curso é coordenado pela equipa de Formação Permanente, com larga experiência em acompanhamento de pessoas e grupos, constituída pelos padre Siro Stocchetti e Elias Sindjalim e pelo irmão Guillermo Casas.

A proposta do Curso é de «Parar, Partilhar para Re-Partir em missão»!

Este tempo vive-se muito em espírito de comunidade comboniana, vida em grupos com partilha de experiências, reflexão e oração! A variedade dos temas apresentados nas manhãs é orientada para ajudar os participantes e revisitar as várias dimensões da vida pessoal, comunitária e missionária.

Temas divididos em várias semanas incluem uma re-leitura da própria vida, o discernimento comunitário, o carisma comboniano, a saúde e a economia. Uma semana é dedicada à partilha e interpretação das experiências missionárias dos participantes. O passo a passo da vida do curso é também acompanhado por pessoas especializadas e escolhidas de outros quadrantes da vida da Igreja consagrada e missionária que acompanham individualmente cada participante.

O curso inclui também diversas visitas de estudo, reflexão, oração e convívio que muito contribuem para criar o espírito comunitário.

Visitámos já terras palmilhadas por S. Francisco de Assis, grande inspirador de vida e missão. Visitámos e participámos em várias celebrações na Basílica vaticana de S. Pedro e na área de “Tre Fontane” onde vivemos!

Outras visitas bem mais especiais e prolongadas levar-nos-ão às terras do nosso Pai e Fundador D. Daniel Comboni e, na conclusão do Curso, passamos três semanas na Terra Santa para palmilhar em missão, com Jesus, os caminhos da Bíblia. É com grande expectativa que todos e cada um espera por estes tempos especiais de graça!

O espírito do grupo de participantes neste curso 2019 é francamente positivo, com os tons das várias origens e experiências de missão, completando um quadro enriquecido por tantos dons e graças.

A vida de comunidade é sempre respeitadora e aberta, com alegria, partilha e ajuda entre todos.

A oração pessoal, comunitária e as várias celebrações têm sido bem preparadas e vividas, tornando-se fonte de vida espiritual para todos.

Os temas dos encontros e partilha em grupos ajudam a tomar consciência e a aprofundar aspetos da nossa vida humana, religiosa e missionária que nesta altura das nossas vidas, consideramos muito necessárias e úteis.

A comunidade cresce em espírito e vida. Estamos todos, tudo e sempre em missão! O caminho faz-se caminhando, escutando, partilhando e avaliando a realidade pessoal e comunitária de cada um. Só assim nos podemos preparar em conjunto para (re)partir em missão. Essa é a nossa vida e vocação. Esse é o desafio do curso e missão que continuamos a percorrer em Peregrinação de vida!

Penso exprimir um sentimento comum a esta comunidade do CCR 2019 quando digo: «Dou graças a Deus por esta oportunidade que me concede. Sinto-me feliz por estar aqui! Espero e sinto-me já seguro, de que esta vida nova, me ajudará a viver renovado a missão para que vou (re)partir.»


P. Carlos Alberto Nunes, mccj