24 de outubro de 2010

LOLOGO


Celebrei o Dia Mundial das Missões com a comunidade de Lologo, nas aforas de Juba.
Trata-se de uma comunidade nova e jovem, frequentada sobretudo por crianças e jovens, e assistida por um colega sudanês, o padre Hector Ayon.
Os mais pequenos participaram na missa debaixo de uma árvore. O resto estava na capela em construção. Trata-se de uma estrutura coberta a zinco, oferta de um general local.
Lologo é o local onde a maioria dos 30 mil ilegais de Juba acabaram por se fixar depois das suas casas serem derrubadas.
A missa foi em Bari (a língua local), árabe de Juba e inglês.
Senti-me bem acolhido e desfrutei daquela mais de hora e meia de oração e louvor junto ao rio, a contemplar aquelas caras lindas, jovens, compenetradas, às vezes também irrequietas, mas uma velhota com chibata repunha a ordem litúrgica.
Um colega comentou que os miúdos devem cair das árvores ou do céu porque pais e mães não se viam por ali.
Mas a igreja cresce e acolhe os pequeninos, os marginalizados, que continuam a ser as filhas e filhos predilectos, o objecto e sobretudo o sujeito da sua missão.

3 comentários:

Anónimo disse...

Viva o espirito missionario esta vivo bem aqui nessa Igreja!Forca Lologo - Juba - Sudao

elsa nyny disse...

Zéeee!

Que lindooooo!!Gostei muito!!

Por cá também tivemos um fim de emana, muito missionário!!!

Sempre unidos!!!

bjtsssssss

António Manuel disse...

...que bom Padre Zé Vieira ter crianças e jovens na celebração!!!
Por cá, bem, por cá só os "velhos".
Uma sugestão: porque não os nossos párocos "diocesanos" darem uma volta por essas bandas e os "missionários" se fixarem uns tempos por cá?

Forte abraço
António Manuel
(César e Joana)